testosterona

Cuidado com a testosterona: o hormônio do tesão também leva mais cedo ao caixão

Já vi pessoas adotarem os mais diversos tipos de culto mas, recentemente, um específico tem me chamado atenção: o culto à testosterona.

Sim! O uso desse hormônio arrebanha cada vez mais fiéis, sobretudo do sexo masculino, seduzidos por alguns “milagres” prometidos aí: aumento da massa magra, músculos esculpidos,  emagrecimento rápido, força de Hércules e libido turbinada. Que paraíso, não é mesmo?

O problema é que o inferno fica logo ao lado. As “graças” alcançadas podem vir acompanhadas de desordens cardiovasculares e do fígado, infertilidade, câncer de próstata e até danos cerebrais.

Consigo entender a força do apelo marqueteiro por trás do composto. Quem digita “testosterona” no Google só vê a palavra risco associada à deficiência do hormônio no organismo. Aumentar seus níveis, portanto, é quase uma ordem. Até existe um link ou outro falando dos perigos do “excesso de testosterona”, mas o assunto é tratado de maneira rasa, como se os perigos envolvidos não passem de uma ressaca mais persistente.

Nos Estados Unido, onde o marketing direto de medicamentos é permitido, o canto da sereia é ainda mais potente. Há até mesmo comerciais na TV com galãs grisalhos de meia idade jogando basquete como a disposição de feras da NBA ou em encontros calientes com belíssimas mulheres.

Por essas e outras, tanto aqui, como nos EUA, o aumento do consumo do produto nos últimos 20 anos é estrondoso. No Brasil, segundo o Sistema de Acompanhamento de Mercado de Medicamentos (Sammed), as vendas de fármacos que contêm testosterona como princípio ativo cresceram 55% entre 2004 e 2012 (injetável ou cápsula gelatinosa). Lembrando que estamos falando apenas de drogas registradas e em suas embalagens originais. As manipuladas não entraram na conta.

Já na terra do Tio Sam, o uso por homens na faixa dos 40 anos ou mais quadruplicou entre 2001 e 2011. Atualmente, um em cada 25 americanos de 60 anos já toma o hormônio.

A sensação do momento nas academias brasileiras e no meio esportivo em geral é o Androgel, do laboratório Besins, vendido sem retenção de receita. No país, a aquisição de testosterona em outras versões está atrelada a apresentação de receita de controle especial em duas vias – assim como todos os outros remédios que, como ela, constam na lista C5 da Portaria 344/98 de substâncias anabolizantes da Anvisa.

Quem quer usar o hormônio, no entanto, costuma burlar o controle por meio de fórmulas manipuladas. As farmácias, nesse caso, exigem apenas uma receita médica comum.

Fé cega, saúde castigada testosterona

A testosterona, definitivamente não é o elixir de Hércules. Não deveria ser usada para fins puramente estéticos ou ou “recreação sexual”. Tampouco deve ser encarada como princípio ativo da longevidade, como tanto se alardeia por aí.

O uso externo é indicado para homens com verdadeira deficiência do hormônio.

Em vez de crer em promessas furadas vigor de adolescente, ereção eterna, e corpo de adônis, que tal acreditar na ciência?  Aqui vai uma lista básica de consequências do uso abusivo ou sem necessidade de testosterona das quais ninguém deveria duvidar:

  • Maior chance de AVC e infarto
  • Ganho de peso
  • Acne (Inclusive cística, tipo que forma blocos de pus no rosto)
  • Ginecomastia (aumento das glândulas)
  • Câncer de próstata
  • Calvície
  • Tontura e enxaqueca
  • Irritabilidade
  • Nervosismo
  • Apneia
  • Reações alérgicas
  • Pele seca
  • Cãibras

Anteriores

A incrível geração de impotentes formada pelo uso recreativo do Viagra

Próximo

Todo homem precisa mesmo fazer o toque retal?

  1. Abel Melo

    O Viagra contém Testosterona?

  2. Diogo

    Faltou o especialista mostrar o outro lado da moeda… Qualquer medicamento tem seus prós e contras… A escolha sobre o uso ou não deveria ficar a cargo do paciente…
    Que, quando devidamente orientado, seria capaz de escolher se quer correr o risco ou não… Mas o que se vê hoje não é ciência… Um lado fala que faz só mal, outro lado fala que faz só bem..

  3. THIAGO

    MELHOR VC LER LIVROS E ARTIGOS CIENTIFICOS DE PELO MENOS 5 ANOS PRA CA

  4. Iolanda Machado

    Concordo plenamente com este médico o medicamento deve ser usado somente com prescrição médica e com deficiência do hormônio, os efeitos colaterais são desastrosos.

  5. Suzana

    Tribulus faz tão mal antigas drogas ??

  6. Pauloantoniodesoua

    Quero receber as publicação desse assunto

Deixe uma resposta

Dr. Pedro Romanelli - Todos os direitos reservados