Autor: Dr. Pedro Romanelli (Página 1 de 3)

11 MITOS E VERDADES SOBRE SAÚDE DO HOMEM

Homens vivem em média 7 anos a menos que as mulheres, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Muitas vezes, eles não buscam ajuda especializada para seus problemas por medo de se mostrarem frágeis E, assim, o desconhecimento sobre a própria saúde só cresce entre a população masculina, dando espaço para que falsas informações ganhem força e se propaguem rapidamente.

Por isso resolvi abordar, em mais uma conversa com vocês, alguns mitos que envolvem a saúde do homem. Destaquei 11 temas:

1- “Câncer de próstata só acomete idosos”

MITO! Cerca de 35% dos casos da doença são entre pessoas de 40 a 65 anos. Homens que têm história familiar de câncer de próstata (pai, irmãos e tios) e/ou são da raça negra devem fazer exames preventivos a partir dos 45 anos de idade, segundo a Sociedade Brasileira de Urologia. Existem fatores de risco nesses casos.

2- “O exame de toque retal dói”

MITO! O homem só sente um leve desconforto durante o exame de toque retal. O incômodo pode ser um pouco maior caso ele não esteja relaxado. O exame dura apenas cerca de 5 segundos. O risco da dor só existe se o homem tiver inflamação na próstata.

3- “Homens têm menos infecções urinárias que as mulheres”

VERDADE! A mulheres têm a uretra mais curta, o que torna as infecções mais frequentes. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), estimativas apontam que 50% das mulheres terão ao menos um episódio de infecção urinária na vida.

4- “Se o exame de PSA deu baixo, não preciso fazer o toque retal”

MITO! O PSA (sigla de antígeno prostático específico, em inglês) avalia somente se algo não vai bem com a próstata. Para determinar se é um tumor, uma inflamação ou apenas um aumento benigno, é preciso fazer o exame de toque. O toque retal é a única forma de se chegar a um diagnóstico definitivo. Cerca de 20% dos tumores de próstata crescem sem aumentar o PSA.

5- “Disfunção erétil pode ser um problema psicológico”

VERDADE! A disfunção erétil, ou impotência sexual, pode ocorrer tanto por questões físicas quanto psicológicas (10 a 20% dos casos). Quando relacionada à razões psicológicas, é uma reação a outros problemas, como más experiências, traumas sexuais, ou mesmo estresse, ansiedade, depressão e até baixa auto-estima. Este problema pode acontecer ao longo da vida, mas é mais comum depois dos 40 anos de idade.

6- “Câncer de próstata não é fatal”

MITO! O câncer de próstata é uma doença silenciosa que, em muitos casos, tem um crescimento lento e não apresenta sintomas. Apesar disso, é a segunda maior causa de morte no país, por câncer, entre os homens. Fica atrás somente do câncer de pulmão.  O diagnóstico precoce garante maior chance de cura ao paciente.

7- “Caxumba causa infertilidade”

VERDADE! A doença é causada por um vírus que, além de afetar a glândula parótida (glândulas salivares), pode acometer os testículos. Homens que têm caxumba depois da puberdade correm o risco de ter inflamação testicular, o que, dependendo da gravidade, pode causar uma atrofia do testículo e, logo, a infertilidade. Esses casos, no entanto, são mais raros.

8- “Homens não contraem HPV”

MITO! Homens e mulheres podem contrair o vírus HPV (papiloma vírus humano). Ele é transmitido pelo contato da pele e mucosas durante o sexo. Nos homens, além do surgimento de verrugas no órgão genital e ânus, pode gerar tumores na boca, garganta, pênis e ânus.  

9- “Fumar causa câncer”

VERDADE! O cigarro tem 43 substâncias cancerígenas. Tabagistas têm 10 vezes mais chance de ter câncer do que pessoas que não fumam.

10- “Câncer de próstata é hereditário”

VERDADE! Homens com histórico familiar de câncer de próstata têm maior probabilidade de ter a doença. É recomendado que eles façam o exame preventivo de câncer de próstata antes dos demais, aos 45 anos.

11- “Todo homem que tem câncer de próstata ficará impotente”

MITO! A impotência afeta cerca de 10% dos pacientes. Com tratamentos minimamente invasivos, como a cirurgia robótica, que garante maior precisão no procedimento, esses índices estão cada vez menores.

DOUTOR, QUAL A IMPORTÂNCIA DO EXAME DE TOQUE RETAL?

Recentemente, pesquisadores da Universidade de Showa, no Japão, criaram um sistema de Inteligência Artificial que detecta tumores de todos os tipos em estágio inicial. O índice de acerto na identificação de mudanças neoplásicas (quando há crescimento anormal das células, gerando um tumor) foi de 86%.

Mas, enquanto esse tipo de tecnologia não é implantada nos serviços de saúde, no caso dos homens, vou continuar respondendo essa pergunta com um sonoro SIM: o exame preventivo de toque retal continua sendo o método mais seguro para diagnosticar o câncer de próstata, com até 90% de chance de cura, caso o diagnóstico seja feito precocemente.

Embora seja um exame que, de fato, salva vidas, os homens continuam subestimando sua importância. Segundo uma pesquisa de 2017 do Datafolha,  encomendada pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), 21% dos entrevistados disseram que o exame de toque retal “não é coisa de homem”. Para outros 38% dos entrevistados ele não é “não é necessário”. A pesquisa ouviu 1.062 homens em sete capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Recife e Salvador.

O exame de toque retal é recomendado a partir dos 50 anos de idade. Aqueles que têm histórico de câncer de próstata na família, ou são da raça negra, devem procurar um especialista mais cedo, já aos 45.

É preciso fazer o exame de toque mesmo se o rastreamento de PSA  (sigla de antígeno prostático específico, em inglês) tenha dado baixo, pois o PSA avalia somente se algo não vai bem com a próstata. Para determinar se é um tumor, uma inflamação ou apenas um aumento benigno, é preciso fazer o exame de toque, a única forma de se chegar a um diagnóstico definitivo.

O motivo é que cerca de 20% dos tumores de próstata crescem sem interferir no PSA. Além disso, pelo toque, outras doenças, como tumores de intestino ou de reto, por exemplo, podem ser identificadas. Ele permite, ainda, estabelecer critérios para tratamentos de sintomas urinários.

E não passa de mito a ideia de que há dor durante o exame que, inclusive, é muito rápido: cerca de 5 segundos. O risco da dor só existe se o homem tiver inflamação na próstata.

Cientistas britânicos associam três características físicas ao maior risco de câncer de próstata

Já estamos nos minutos finais do segundo tempo do Novembro Azul mas, aproveitando o mote da campanha anual, resolvi falar desse estudo que associa algumas características físicas ao maior risco de desenvolver câncer de próstata: altura, índice de massa corporal (IMC) e circunferência do abdômen.

 

A conclusão é de cientistas britânicos que avaliaram dados de 141.896 homens, coletados pelo estudo European Prospective Investigation on Cancer and Nutrition (EPIC) em oito países: Grécia, Dinamarca, Alemanha, Itália, Reino Unido, Holanda, Suécia e Espanha.

 

Detalhes da pesquisa foram divulgados recentemente na revista BMC Medicine.

Foram detectados 7.024 casos de câncer de próstata entre o grupo pesquisado. Os cientistas observaram que o IMC estava relacionado ao maior risco de tumores de alto grau e ao risco de morte pela doença. O mesmo foi verificado em relação à medida da circunferência do abdômen.

 

A cada 10 centímetros a mais, os homens aumentavam em 18% a taxa de letalidade pelo câncer de próstata e em 13% a chance de ter a doença em nível mais agressivo. Os pesquisadores usaram as métricas da Organização Mundial da Saúde (OMS)  — 94 cm a 102 cm — como parâmetro.

 

A lógica também se repetiu em relação à altura. A cada 10 centímetros adicionais, foi verificado um aumento de 21% no risco de desenvolvimento de doença de alto grau e 17% no número de mortes por complicações do câncer. Os pesquisadores usaram a estatura média da região, de 1,65m, como base para a comparação e, nesse quesito, o estudo aposta ainda na associação entre hormônios de crescimento e o câncer de próstata.

 

Já existia um indicativo de que o sobrepeso e a maior altura poderiam listar como fatores de risco para o surgimento de tumores. Contudo, a equipe de pesquisadores foi além e está examinando diferentes tipos de tumor para analisar a associação desses atributos (altura, IMC e circunferência do abdômen) aos estágios e categorias da doença.

 

A análise ainda é inicial, mas já é possível especular sobre esses pontos de acordo com os resultados preliminares. O ponto crucial do estudo é estabelecer a associação científica do sobrepeso, único dos três fatores que pode ser controlado pelo indivíduo, à um maior risco de desenvolver a doença. A iniciativa serve de alerta aos homens para manter um peso saudável. Praticar exercícios físicos regulares e adotar uma dieta equilibrada

são ações importantes de cuidado para reduzir a chance de desenvolver o câncer.

 

5 evidências científicas de que a atividade física é um super “viagra”

Se o que te trouxe a este blog foi a busca por um “remedinho” para melhorar o desempenho sexual, hoje é seu dia sorte! Esse post é justamente o que você procurava.

Anote aí a primeira receita. Já ouviu falar em JUÍZO? Pois comece tomando hoje! Um balde de dois em dois minutos, pelas próximas 20 encarnações. Triplique a dose caso a ideia de comprar estimulantes para dar um “up” numa noite especial qualquer te pareça “brilhante” ou mesmo “inofensiva” (Já conversamos por aqui sobre os perigos dessa aventura).

A boa notícia é que existe sim uma maneira segura, natural, eficaz e com poucas contraindicações de potencializar sua atuação na hora H. A fórmula é bem mais simples do que você imagina. Parodiando a sensata nutricionista Bela Gil, eu diria que:

Ler mais

Câncer de rim: o que você precisa saber sobre essa doença letal e silenciosa

É pouco provável que você conheça alguém que enfrenta ou tenha enfrentado essa doença. Ao contrário do câncer de próstata (2ª maior causa de mortes entre homens), ou do mamário (o que mais mata mulheres em todo o mundo), os tumores renais são relativamente raros. Trabalhos publicados em periódicos como o Journal of the National Comprehensive Cancer Network apontam que sua incidência corresponde a menos de 3% total de carcinomas catalogados.

Por outro lado, quem já acompanhou um caso dessa enfermidade de perto frequentemente tem um final trágico para relatar. Segundo a Globocan (braço da Organização Mundial de Saúde que sistematiza estatísticas sobre diversos tipos de câncer), a taxa de mortalidade das neoplasias renais chega a 54% no Brasil. Ou seja: mais que o dobro da taxa de óbitos registrada para o câncer de próstata, que é de 25% (dados da Sociedade Brasileira de Urologia).

Estamos falando de um mal que, sim, muitas vezes avança de forma agressiva. A literatura médica, contudo, mostra que seu desenvolvimento pode ser lento em parte significativa dos pacientes. O maior trunfo do câncer renal é ser praticamente silencioso.

Ler mais

Síndrome de Burnout: quando o trabalho adoece o homem

“O trabalho é o alimento das almas nobres”.“Treine enquanto eles dormem”. “Mente vazia, oficina do diabo”. Você se lembra quando foi que essas frases entraram para o seu repertório? Ou melhor: saberia dizer em que momento começou a acreditar nas sedutoras promessas embutidas nas ideias de competição, produtividade e obstinação? Arrisco dizer que ainda na infância. Basta observar fábulas infantis como A cigarra e a formiga, por exemplo, cuja moral é: curtir o verão cantando por aí é para os fracos! Siga o exemplo da formiga, que nunca descansa.

A cigarra e a formiga: o chamado para produzir começa cedo

Como médico que tem grande apreço pela profissão, concordo que trabalhar é, de fato, uma das melhores coisas da vida. Nascemos, afinal, para realizar, para tirar projetos do papel, para sermos úteis. Ocorre que precisamos tomar cuidado com as expectativas que depositamos na dedicação à carreira. Quem investe nela até a última gota de suas energias, apostando no sucesso profissional como única fonte de prazer e realização, pode acabar surpreendido pelo fracasso. Acredite: não há competência que resista a corpo e mente adoecidos pela Síndrome de Burnout

Ler mais

Novembro Azul Não deixe o câncer te pegar!

Estamos a todo vapor para mais uma edição da campanha Novembro Azul que, desde 2003, vem na luta de conscientizar os homens de todo o mundo sobre o câncer de próstata.

De lá pra cá, 15 anos já se passaram, mas o maior desafio contra a doença continua sendo o mesmo: preconceito.

E é importante falar disso porque cerca de 20% dos casos são diagnosticados já em estágios avançados, quando os recursos terapêuticos são escassos e as chances de cura se tornam infinitamente menores.

Ler mais

DIREITOS DO PACIENTE COM CÂNCER: Você conhece?

Você sabia que pessoas com câncer têm direitos especiais previstos na legislação brasileira? Esses benefícios foram estabelecidos pelo Estado para auxiliar o paciente durante o enfrentamento da doença e para melhorar sua qualidade de vida. Os direitos vão desde desconto na conta de luz até a garantia de acesso gratuito a medicamentos.

Todo paciente com câncer tem direito a ser tratado com respeito e dignidade; recebendo um humanizado e atencioso, sendo identificado unicamente pelo seu nome e não por código ou nome da doença. Toda informação sobre seu estado de saúde deve estar acessível e ele deve receber esclarecimentos sobre os formulários que assina. Seus dados devem ser resguardados pelo sigilo profissional.

Ler mais

Vamos falar sobre depressão?

“Preciso de um remédio para impotência, doutor”. É natural que todo urologista escute essa frase pelo menos uma vez por dia dentro do consultório. O que eu faço diante desse pedido? Pode parecer estranho, mas minha atitude inicial não é partir direto para a anamnese (entrevista realizada pelo profissional de saúde para diagnosticar o paciente) ou avaliação física. Tampouco tiro meu receituário da gaveta para solicitar exames. Em primeiro lugar, o que eu faço é…silêncio.

Solto, no máximo, um breve “entendi”, dito em postura atenta, como quem “devolve a bola” para o paciente. A ideia é fazê-lo praticar algo que os homens quase sempre evitam: elaborar percepções e sentimentos relacionados à intimidade. Se tem uma coisa que os anos me ensinaram, afinal, é que as queixas relacionadas ao desempenho sexual masculino não raro constituem a ponta de um imenso iceberg, que muitas vezes atende pelo nome de depressão. E é justamente sobre esse tema tão importante que eu gostaria de conversar com vocês nesse post.

Ler mais

Homens obesos são menos férteis. Entenda por que

O que eu mais gosto neste blog é que a gente conversa sobre saúde, entre outros temas sérios, mas com a informalidade como a informalidade de um papo de boteco, regado à cerveja gelada e um bom tira-gosto mineiro. Receio, entretanto, que o assunto desta segunda-feira não esteja entre os mais populares do cardápio. O que temos para hoje, caro leitor, é uma degustação completa de verdades sobre obesidade e saúde reprodutiva.

Ler mais

Página 1 de 3

Dr. Pedro Romanelli - Todos os direitos reservados