Pobre (e doente) super homem…

Não tenho dúvidas de que o machismo é uma doença social de altíssimo grau de letalidade – sobretudo para as mulheres, como nos mostram numerosas e tristes estatísticas.

Como médico, por vezes tenho vontade de catalogar esse comportamento também na CID, a Classificação Internacional de Doenças. Especificamente, no grupo das enfermidades autoimunes – aquelas em que o corpo trabalha contra si mesmo, caso da esclerose múltipla, por exemplo.

Pobres machões. Mal sabem o quanto a masculinidade que eles tanto defendem por meio de atitudes primitivas é, frequentemente, o motivo que os leva ao adoecimento e à morte.

Uma boa maneira de saber se você faz parte do “grupo de risco” é observar seu discurso. Sabe aquela frase transmitida de pai pra filho há 5 gerações na sua família? Ou aquele dogma masculino que você respeita sem questionar (“homem não chora” e afins?). Bingo! Eis o sintoma!

Reuni alguns dos berros machistas mais comuns pra gente vestir a carapuça fazer um autodiagnóstico – explicando como eles reverberam na nossa saúde.

“Atrás de mim, não entra nada, só sai”
No Brasil, o tumor de próstata é a quarta maior causa de morte por câncer e corresponde a 6% dos óbitos totais de homens por ano. Diagnosticada no início, a doença tem mortalidade sensivelmente reduzida. E aí, o que você prefere? Se submeter a um exame que pode salvar sua vida ou amargar uma doença que pode te levar a óbito? Faça sua escolha.

“Dieta e academia? Coisa de viado!”
De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o percentual de homens obesos no Brasil é maior do que 15%. E o que está cientificamente comprovado é que o excesso de gordura é bem democrático ao matar pessoas. Engordou demais e não se movimenta? Seja qual for a sua orientação sexual, o diabetes e as doenças cardiovasculares não tardam a te visitar, não duvide.

“Tem que beber feito homem”
Se você é o tipo de super homem que também se acha imune aos efeitos da bebida, cuidado: segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), o Brasil é o terceiro país das Américas com mais mortes masculinas causadas pelo álcool. De acordo com o último relatório divulgado pela instituição, a taxa de brasileiros mortos pelo alcoolismo foi 73,9 brasileiros a cada 100 mil em 2010. Entre as mulheres, as estatísticas foram de 11,7 para cada 100 mil brasileiras.

“Dor no peito, eu curo com mulher!”
Se ela for cardiologista, até pode ser. Do contrário, negligenciar a necessidade de visitar esse especialista pode comprometer sua performance. Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, apontam que a principal causa de mortalidade masculina, independentemente da idade, são as doenças do aparelho circulatório (doença pulmonar obstrutiva crônica- DPOC, enfisema pulmonar, câncer do pulmão, entre outras). Entre 2010 e 2015, mais de um milhão de homens morreram em decorrência dessa causa. Por sua vez, 964,3 mil mulheres perderam a vida pelo mesmo motivo. Comparativamente, morreram aproximadamente 95 mil homens a mais que mulheres.

“Psicólogo é frescura”
De novo, fala o Ministério da Saúde: 55% da população masculina não tem o hábito de frequentar serviços de saúde mental porque acreditam que não precisam deste tipo de atendimento. O mesmo órgão divulgou, em 2017, que entre 2011 e 2016, 62.804 pessoas tiraram suas próprias vidas no país, 79% delas são homens e 21% são mulheres. Cuidar da saúde mental, portanto, é coisa de homens e mulheres. É pra toda gente que quer viver mais e melhor.

Até a próxima semana!

Anteriores

Estou assustado com o avanço da sífilis e você também deveria estar

Próximo

Há 20 anos, surgia o viagra, pílula que revolucionou nossas (duas) cabeças

  1. Jesus Guimarães

    Excelente informação. Grato.

  2. Jesus Guimarães

    Excelente informação, extremamente grato pelo material publicado.

  3. Antônio Matapettê

    O que faz mal a saúde é ser viado.

  4. Maluco

    Matéria de fresco

  5. Mônica Maria Coimbra de Paula

    Texto muito bom, direto ao ponto. Quero compartilhar, com o faço?

    • Dr. Pedro Romanelli

      Ei, Mônica! Muito obrigado, que bom que você gostou do texto!
      Para compartilhar, basta publicar este link no seu Facebook, Twitter ou outra rede social de sua preferência:

      http://bit.ly/saudedohomembh3

      Também vale enviar via whatsapp para o grupo para o marido, filho, irmão ou, melhor ainda: no grupo da família 😉

      Abraço!

  6. Marlene Pego

    Como sempre muito bom. Simples e objetivo.

  7. Janaina

    Excelente texto, dr. Pedro! Pena que, mesmo com tantas informações para esclarecer, os homens ainda preferem debochar e morrer do que dar o braço a torcer – haja vista os tristes comentários aqui mesmo neste espaço. Acho que muitas vezes eles até concordam que precisam se cuidar, mas o orgulho de não parecer “fresco” na frente dos amiguinhos fala mais alto do que o bom senso. Só podemos lamentar, então…

  8. Gostei muito de seu post, vou acompanhar seu blog.
    Este tipo de conteúdo tem me ajudado bastante.

Deixe uma resposta

Dr. Pedro Romanelli - Todos os direitos reservados