A incrível geração de impotentes formada pelo uso recreativo do Viagra

disfunção erétilDesculpe o banho de água fria. Ainda mais depois do último post, em que comemorei os 20 anos do Viagra, um medicamento, sem dúvida, pioneiro, que revolucionou o comportamento sexual masculino. Mas é justamente para que você tenha uma vida sexual com mais saúde e qualidade que faço o alerta. Me refiro ao oba-oba vivido por uma parcela crescente dos jovens contemporâneos, que, sem qualquer problema de disfunção erétil, vêm tomando a azulzinha por pura diversão, sem saber que, nessa brincadeira, enfrentam riscos de máxima potência.

Estamos num país que, desde 2011, é vice-líder mundial de vendas de remédios para impotência sexual. Os dados são da IQVIA, instituição focada na auditoria do mercado farmacêutico. Sim, eu sei que isso tem a ver com a quebrada patente do fármaco no ano anterior, que baixou vertiginosamente seu. custo. No início desta década, uma caixa de Viagra na dosagem mais baixa custava em torno de R$120 reais. Nos dias atuais, quem vai à farmácia já encontra versões genéricas por menos de R$ 5.

Em 2010, o SUS também passou a distribuir gratuitamente a Sildenafila (nome do princípio ativo do estimulante). Claro que todos esses fatores fizeram com que as pílulas se tornassem acessíveis a mais homens com disfunção erétil, sobretudo os. de menor poder aquisitivo. Em contrapartida, o que médicos de todas as especialidades têm notado é que jovens adultos e até adolescentes cheios de “bala. na agulha” também respondem por uma assustadora fatia desse consumo.

A comprovação estatística ainda não veio. Há quase dez anos, o ProSex – Projeto de Sexualidade do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) anunciou que estava desenvolvendo um estudo sobre o uso de excitantes por homens sem disfunção erétil. Tudo indica que o resultado ainda não saiu (agradeço se alguém encontrar e postar pra mim aqui nos comentários, ok? Estou bem curioso). Acontece, meu amigo, que o recreio da rapaziada, não raro, termina justamente. dentro do meu consultório, e o número de finais infelizes vem crescendo de maneira alarmante.

Como pode terminar essa brincadeira disfunção erétil 

Durante um tempo, o baladeiro que toma a azulzinha pouco antes de partir para uma noite de sexo sente que está “tudo azul” mesmo. O desempenho na cama, de fato, parece ficar melhor, já que as ereções tornam-se mais fáceis e um tanto prolongadas. O preço cobrado pelo “dopping sexual”, no entanto, costuma ser altíssimo. 

Às vezes, paga-se com a vida. Sobretudo quando a Sildafinila desce junto com outros comprimidinhos típicos de balada, como ecstasy e poppers. Quem toma esse coquetel  de estimulantes arrisca acordar no além sem sequer curtir um orgasmo.

Outra triste consequência do consumo irresponsável de medicamentos para desordens eréteis é a dependência – no caso, mais psicológica do que. química. É comum ver pacientes que, de tanto brincar de farmácia , passam a relatar medo de “broxar” sem eles. Ou que não se satisfazem mais com as relações mantidas sem o auxílio artificial.

Fica aí o alerta. Além disso, o desejo de que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) passe a fazer valer o que a tarja vermelha – essa que consta na. caixa da Sildafenila – em teoria, determina: venda apenas mediante apresentação da prescrição médica. Na prática, as pílulas são comercializadas livremente e podem ser adquiridas por qualquer pessoa.

Anteriores

Há 20 anos, surgia o viagra, pílula que revolucionou nossas (duas) cabeças

Próximo

Cuidado com a testosterona: o hormônio do tesão também leva mais cedo ao caixão

  1. Luiz De Marco

    òtimo alerta. Na verdade, nunca entendi porque, quem està na normalidade biosexual, tomar o viagra sò por tomar.

  2. very good article, congratulations for the content.

  3. Quanto conteudo de qualidade encontrei aqui no site. Agradeço por compartilhar. Sucesso. abraço

Deixe uma resposta

Dr. Pedro Romanelli - Todos os direitos reservados